Voce gosta de Florais?

Voce gosta, se interessa por Florais? Conhece a Psicomedicina? Segue abaixo um trecho do primeiro livro do Curso de Psicomedicina, do médico e pesquisador Marco Menelau. Se tiver maior interesse visite o blog dos Florais do Nordeste aqui. Trecho sem edição
x
DOENÇAS NA PRIMEIRA INFÂNCIA
DOENÇAS ORIGINADAS POR CONFLITOS COM A FIGURA PATERNA
a) PNEUMONIA
É a mais importante doença respiratória da infância. Ela ocorre com muita freqüência. A ocorrência da doença é maior em crianças com menos de 1 ano de idade. Este fato concorda com o que foi estudado anteriormente, sobre a mágoa da figura paterna. Existem outras características da pneumonia:
– a doença ocorre com mais freqüência em regiões pobres. Este fato não se deve apenas ao grau de desnutrição das crianças, mas ao fato de que os pais de menor nível cultural e social são muito machistas e péssimos pais.
– Os desnutridos adoecem mais do que os nutridos.
– Dos 13 milhões de crianças que morrem todo ano no mundo, cerca de 4 milhões morrem devido à pneumonia aguda.
– As infecções respiratórias são a maior causa de óbito em crianças com idade entre 1 e 4 anos. Exatamente na faixa etária mais sensível ao desamor do pai.
Etiologia (causas)
A pneumonia nas crianças ocorre com a participação de vírus ou bactérias, ou ainda em alguns casos fungos. As bactérias se apresentam em um número maior dos casos, em cerca de 60%. No nosso estudo não consideramos as bactérias, os vírus ou os fungos como causadores da pneumonia. Eles são agentes secundários, que se proliferam em excesso como conseqüência da doença e não como sua causa. A presença de vírus ocorre com muita freqüência com a co-participação de bactérias. A presença de microorganismos é mista. É comum que uma “pneumonia viral” se torne “bacteriana”.
Na pneumonia ocorre uma condensação dos alvéolos pulmonares. Estes alvéolos que são pequenos “sacos” que se enchem de ar atmosférico, se preenchem de um líquido que extravasa do processo infeccioso. Este líquido promove uma condensação do alvéolo que fica duro, e perde a sua função de oxigenar o sangue. O pulmão é dividido em lobos. A pneumonia pode ser lobar, quando atinge apenas um lobo do pulmão, ou pode ser uma pneumonia que atinge todo o pulmão. Quando o líquido invade a cavidade pleural damos o nome de derrame pleural. Este derrame de líquido para a pleura impede o funcionamento normal do pulmão, e este líquido precisa ser drenado para fora da cavidade. Quando o processo infeccioso penetra em todo o pulmão temos a morte por asfixia, a criança não consegue mais respirar. Felizmente, a maioria dos quadros de pneumonia são mais amenos e se resolvem favoravelmente para a cura.
Quadro Clínico:- Febre- Dispnéia (dificuldade de respirar)- Taquipnéia (respiração rápida)- Tosse- Catarro

A) FISIOPATOLOGIA HOLÍSTICA
Após o estudo do significado holístico da respiração, fica fácil o entendimento das causas reais da pneumonia nas crianças, principalmente nas crianças de 0 a 4 anos. Respirar é entrar em contato com o pai, é colocar o Amor do Pai para dentro. A pneumonia representa uma expressão no corpo físico da imensa tristeza da criança por não possuir um pai amável e carinhoso. A pneumonia é tristeza! Ela é uma expressão da tristeza no corpo físico! Um pulmão funcionando perfeitamente expressa a alegria e a liberdade de sentir e absorver o Amor do pai, que dá autonomia e energia. O Amor do pai é energia masculina saudável. Um pulmão saudável, que se preenche de oxigênio, está expressando uma enorme felicidade e alegria de receber o amor paterno. Este amor do pai carrega em si mesmo as qualidades masculinas saudáveis como: autonomia, liberdade, coragem, iniciativa, vitalidade e força. Quando o pai abandona a criança e não dá a ela este amor de pai, ou quando o pai é agressivo e estúpido, ou excessivamente dominador e autoritário, em todos estes casos vamos ter uma carência profunda deste amor paterno. A criança fica muito magoada e não tem muita consciência disto. A mágoa se expressa no corpo físico no fechamento do sistema respiratório que pode se iniciar com obstrução nasal e terminar como pneumonia. Na pneumonia a dor emocional e a desconexão com o pai são mais profundas do que uma simples gripe ou uma obstrução nasal. Na pneumonia o sentimento mais forte e prevalente é a tristeza e a profunda decepção. Na pneumonia existe um conflito com o pai. Esta dificuldade de contato com o pai já surge no útero, no momento da concepção. O pai, ao saber que a mulher está grávida, desenvolve sentimentos de rejeição e negação do filho. Na maioria das vezes é o pai que sugere o aborto. A criança se sente abandonada pelo pai e guarda esta memória de rejeição terrível. Este fato explica os casos de bebês que já nascem com quadros respiratórios graves, muitos desenvolvendo uma pneumonia com alguns dias de nascidos. A diferença fundamental entre a pneumonia e a asma está exatamente no forte componente de tristeza e decepção que a pneumonia possui. Na pneumonia existe o componente do abandono, da decepção, da tristeza. Na asma pelo contrário, o pai está muito presente, porém é excessivamente autoritário, e pouco afetivo! Tanto a asma e a pneumonia são causadas pela desconexão com o pai, e um conflito com a figura paterna, porém a diferença entre estas duas patologias está no componente afetivo de cada uma. Na pneumonia temos a prevalência da tristeza pelo componente do abandono, e na asma temos a raiva e a mágoa pela presença ostensiva do pai, que proíbe, que prende, que cerceia a liberdade!
B) VISÃO HOLÍSTICA DA ALTERAÇÃO PATOLÓGICA
Na pneumonia existe uma infecção que pode existir com bactérias e vírus. A bactéria representa no microcosmo tecidual o “pai” contra o qual a criança despeja sua mágoa, sua irritação, sua revolta por não ter sido amada como queria. A bactéria vivia harmonicamente no ambiente microcósmico tecidual. Ela não agredia, nem era agredida. De repente, toda a carga de raiva e mágoa que a criança possui do pai, termina por se expressar neste microcosmo, neste âmbito ínfimo do tecido pulmonar. A bactéria é atacada como se ela fosse o pai da criança, cuja raiva era para ele direcionada. A raiva e a mágoa que não foram expressas são uma carga de energia que termina por se expressar na forma química de venenos que agridem a bactéria, e daí surge uma guerra! Na verdade a pneumonia bacteriana é uma expressão no corpo do confronto com o pai, que está acontecendo na relação real, ou macroscópica. A pneumonia provoca uma consolidação do tecido pulmonar que fica infiltrado de leucócitos que fecham a passagem do ar. Existem alguns tipos de pneumonia que acometem apenas um lobo pulmonar, deixando o restante do órgão intacto. Estes casos são mais amenos. Nos casos em que o tecido pulmonar fica repleto de células brancas, temos o aparecimento da dispnéia que é o cansaço. O significado holístico deste infiltrado é muito interessante. Este infiltrado é uma forma de contato. Estudamos em módulos anteriores que as células brancas, os leucócitos não são células de defesa, mas células de contato afetivo! Este infiltrado de células brancas dentro do alvéolo representa a criança cheia de afeto envolvendo o pai (bactéria), mesmo que o pai seja rude, autoritário e estúpido. Esta é uma representação do Amor Incondicional da criança que acolhe e abraça o pai mesmo que ele seja estúpido. Este infiltrado é a mágoa, cheia de carinho e afeto guardados. É o “coração fechado” cheio de afeto e com muita vontade de dar e receber amor. A pneumonia bacteriana está mais repleta de tristeza e emoções guardadas do que a pneumonia viral.
O vírus, por ser uma expressão de um pensamento, existe na pneumonia viral como uma expressão de um conflito imaginário, com um pai que não é concreto. Geralmente ocorre em crianças cujo pai morreu ou que a abandonou. Na realidade o vírus representa a idéia errada de se fechar para o pai e a bactéria surge quando esta idéia se concretiza de fato. O pensamento errado expresso no vírus é: “eu posso viver sem este amor do pai, este amor é horrível, ele me machuca, então é melhor eu me fechar, eu impedir que ele entre em mim”. O vírus é a idéia errada na forma química de um RNA ou DNA com cápsula protéica. Esta idéia ataca primeiro, pois tudo começa na idéia. Depois esta idéia se concretiza quando começa o conflito com as bactérias. Geralmente o vírus surge provocando uma pneumonia viral e depois esta se transforma em uma pneumonia bacteriana. No momento em que a pneumonia se instala com cansaço, teremos aí claramente uma expressão da carência do amor de pai. A dispnéia é claramente uma expressão da enorme carência que este indivíduo tem do amor do pai. A dispnéia é uma expressão psicofisiológica de uma alma que está sedenta deste amor, e não o encontra, e não percebe que ela está apenas fechada para ele. Uma criança cansada está precisando desesperadamente de amor e carinho masculinos. É por este motivo que os tios, pais e irmãos mais velhos precisam dar muito amor para a criança que está com cansaço.
C) A DOENÇA NO CORPO MENTAL (AS CRENÇAS)
Na mente da criança com pneumonia podemos encontrar as seguintes crenças negativas:
“Eu posso viver sem o Amor do meu pai”“Eu estou sufocado pelo desprezo de meu pai”“Eu não quero amar meu pai novamente”“O amor do meu pai me fere! Eu preciso me fechar para este amor, porque se ficar aberto vou me machucar”“A mágoa me protege da dor”“Eu não preciso de pai”“Eu não tenho pai, ele me odeia”“O amor do meu pai me prende e constrange”“Eu não quero mais saber de meu pai”“O amor de meu pai não existe. Este amor não está disponível para mim, eu tento coloca-lo para dentro e não consigo”“Não existe amor de pai, só de mãe”“Os pais são horríveis, as mães são muito melhores”“A vida não vale a pena sem o amor de meu pai”“Como posso viver sem meu pai?”“Estou muito triste e decepcionado com meu pai”“é melhor morrer do que abrir o coração para este pai”
D) DOENÇA NO CORPO EMOCIONAL
No corpo emocional vamos ter: – Decepção com o pai- Tristeza pela falta do pai- Abandono pelo pai- Carência do pai ou da figura paterna- Insegurança e medo do mundo- Insegurança pela falta da proteção do pai- Medo da vida- Desespero- Mágoa do pai- Revolta com a figura paterna- RebeldiaE) EXPANSÃO DO CORPO CAUSAL (O APRENDIZADO)
Com o sofrimento gerado pela pneumonia a criança aprende uma primeira e valiosa lição: não é interessante fechar o coração para o amor do pai, ele é necessário, ele é vital, ela não pode viver sem ele. Quando a pneumonia se instala com sofrimento, a criança percebe que não pode negar o amor de seu pai. Este amor é vida! Ele é uma energia que representa a força de Deus-pai, o aspecto masculino da Divindade. A criança se conectou deturpadamente com este amor, devido à ignorância e ao nível baixo de discernimento do pai terrestre. A experiência de ficar sem ar é uma expressão clara da falta do amor do pai, que dá liberdade e autonomia. O Amor de pai saudável desenvolve na criança uma independência, um senso de autonomia e liberdade. Uma criança que recebe o amor de pai saudável vai ser um adulto responsável e será também um pai saudável. Para uma criança que teve um pai autoritário e agressivo, ou um pai que esteve ausente ou não abandonou, o caminho é substituir a figura paterna. A saída é encontrar este amor num tio, num amigo, no médico, ou na própria mãe que muitas vezes assume o papel de pai e doa para a criança uma energia masculina. Ela consegue transmitir além do amor de mãe o amor de pai. A experiência da doença traz uma lição muito importante para a própria criança, e também uma lição para o pai que ao ver a criança doente, a leva para o hospital, e termina por cuidar dela, dar carinho, proteger e a assumir mesmo que forçadamente o papel de pai. Quando isto acontece, a criança se recupera mais rapidamente. Ele dá forçadamente o amor que tanto negou. Quando o pai se desdobra para ajudar a criança, ela sente este amor que não sentia antes. Ela aprende a reabrir o coração para o pai, e a perdoa-lo. Ela se abre para receber o amor do pai, e esta abertura se transfere para o corpo, na região do pulmão, dissolvendo o estado de tensão e conflito que gera a pneumonia. A doença demonstra para a criança, que o amor de pai (oxigênio) existe em abundância no Universo, e que o único problema é fechar o pulmão para ele. O pensamento errado é a mágoa e o ressentimento, que impedem o amor de entrar. A restrição se encontra na própria criança que fecha o pulmão pela mágoa e tristeza profundos. Nesta experiência da doença, a criança amolece o pai durão, que se “derrete” no hospital cuidando de seu filho. E nos casos em que a criança foi abandonada, mesmo que o pai não exista ela encontra alguém para lhe doar este amor de pai. Este alguém pode ser o médico, o tio, o amigo, ou alguém adulto que lhe dê amor e carinho. O perdão vai abrir o pulmão para que ele se encha de ar (amor), e possa se encher de vida. Neste momento a criança percebe que o mais importante para receber o amor que ela tanto quer e deseja, é abrir o coração para ele. Na doença a criança experimenta a concretização da mágoa e do ressentimento no corpo físico, e esta mágoa pode até matar! Se a criança aprende a lição do perdão, e a grande verdade que é horrível se fechar para o amor, pois este amor é a própria vida, ela engrandece sua alma e o Corpo Causal se expande e brilha guardando a memória positiva desta lição maravilhosa: o amor (ar), está sempre disponível, basta que cada um se abra para recebe-lo, e que o mais importante não é o pai que temos, mas a forma como estamos abertos para receber o amor de Deus-Pai, com todos os seus representantes.
F) TRATAMENTO FLORAIS
O tratamento da pneumonia em crianças se dá pelos pensamentos positivos:
“Eu não posso viver, e ninguém pode viver sem o amor de um pai”“Eu encontro dentro de mim uma forma de perdoar meu pai, por ele não me amar como eu quero”“Eu quero amar meu pai novamente”“Meu pai me ama, o que ele não consegue é expressar este amor”“O amor é maravilhoso, ele jamais pode ferir! Se fechar para o amor, além de não resolver a falta do amor, só faz afastar do próprio amor”“A mágoa não protege de nada”“Não vou curar a falta de amor, me fechando para ele”“Quando fecho meu coração me sufoco, aumento minha falta, minha carência, e morro emocionalmente”“Só o perdão pode curar a dor de uma perda ou de uma agressão”“Eu preciso de um pai”“Eu não posso negar que tenho carência e falta de meu pai”“Preciso compreender meu pai, e perceber que ele está doente, por não conseguir sentir e expressar o seu amor por mim”“Não é o amor de meu pai que me prende, mas sua incompreensão e a sua incapacidade de expressar seu amor”“Eu não posso negar que preciso e sempre precisarei do amor de meu pai”“O amor de meu pai existe, só não está existindo uma comunicação deste amor”“Os pais são maravilhosos, eles amam e protegem seus filhos”“A vida vale a pena, pois posso encontrar este amor de pai em outra pessoa”“Eu posso viver sem meu pai e encontrar este amor paterno em outra pessoa”“Eu Amo meu pai”“É sempre melhor manter o coração aberto em qualquer situação, mesmo quando não se é amado”“É melhor viver e encontrar este amor de pai novamente, em alguém, em alguma pessoa”“O Amor de pai está disponível em toda parte, basta que eu me abra para ele, que ele vai chegar, nem que seja por outra pessoa que substitua meu pai”
Para o corpo emocional é necessário um trabalho de apoio para que a criança possa confiar em seu pai. É necessário que se trabalhe o pai da criança, que precisa tomar consciência de que ele pode estar causando esta pneumonia, com a sua incompreensão, e a sua falta de capacidade de lidar com a criança.

Essências florais: Flor do Murici é fundamental para a cura, pois ela traz a energia do amor de pai. Água de Deus traz a força da essência masculina de Deus, o Amor do Pai. Esta essência preenche o indivíduo que está alienado da figura paterna. Rosa do Afeto vai preencher a carência afetiva profunda do amor de pai, se for combinada com Flor do Murici e com Água de Deus. Flor da Manga vai dissolver a tristeza. Perdão vai ser indicada para reabrir o coração. Carinho branco para reabrir o coração fechado e petrificado. Água dos ventos vai melhorar a respiração e dissolver a mágoa do pai que fica expressa na forma de catarro e secreções respiratórias.

b) ASMA BRÔNQUICA
A asma é uma doença muito freqüente em nosso meio, acometendo um grande número de crianças numa idade entre 1 e 4 anos. É uma doença que pode persistir até a idade adulta e em alguns casos até a velhice. A asma causa muito sofrimento pelo desconforto respiratório. Os sintomas e sinais principais da asma são:
– dispnéia (cansaço) : que é a dificuldade de respirar- tosse: presente em alguns casos- dor no peito e nas costas- chiado no peito- vômitos
Estes sintomas podem estar presentes como um todo ou apenas alguns deles. A asma é uma doença crônica, que se arrasta ao longo do tempo pela inabilidade da medicina alopática de cura-la. Uma doença é chamada crônica quando a medicina não consegue cura-la. A asma se apresenta em crises, que podem ser desencadeadas por:
– fortes estímulos emocionais- stress- tensão- ansiedade- algumas substâncias alérgenas como poeira, pólen, odores, fungos- temperatura baixa- exercícios físicos: em alguns casos os exercícios podem provocar uma crise de asma
A crise de asma se caracteriza pelo intenso desconforto respiratório, e um desespero por ar. A tosse está presente e uma ansiedade intensa.
FISIOPATOLOGIA
A asma é caracterizada por três componentes patológicos que em conjunto tentam impedir a entrada do ar atmosférico, bem como a saída do ar dos pulmões. Nesta intenção percebemos claramente uma expressão de mágoa quando a criança se fecha para não receber o amor (oxigênio) do pai. Estes três componentes fisiopatológicos da asma são:
– O edema da parede interna dos pulmões- O espasmo (contração) da musculatura lisa que reveste os brônquios- Acúmulo de secreções da mucosa respiratória
Estes três componentes juntos, se unem para diminuir a abertura dos brônquios, promovendo ao contrário do que se pensa, uma dificuldade muito grande para o ar sair. No asmático existe uma dificuldade de colocar ar para dentro, mas existe muito mais dificuldade de colocar ar para fora. Este fato se deve a uma característica interessante do sistema respiratório: a expiração (ato de colocar o ar para fora), é mais difícil do que a inspiração, porque a expiração exige mais esforço da musculatura respiratória do que a inspiração. Inspirar é muito mais fácil do que expirar! Na realidade o asmático se sufoca por não conseguir colocar o ar para fora! Ele se “agarra” com tamanha avidez ao pouco ar que consegue colocar para dentro que termina por se sufocar. Esta é uma expressão de desespero, pela perda do amor do pai, e pela necessidade urgente deste amor. Todos precisamos do amor de pai o tempo inteiro, na forma química do oxigênio. Vamos observar um brônquio com os três fatores citados acima que contribuem para sua obstrução. O resultado é a dispnéia com o som de chiado característico.

A) FISIOPATOLOGIA HOLÍSTICA
Para que possamos compreender a asma e suas causas reais, precisamos fazer uma diferenciação com a pneumonia. Em ambas existe um conflito com a figura paterna e uma profunda alienação em relação ao amor do pai. Porém existem diferenças sutis entre as duas doenças, que podem ser percebidas pelos “olhos” holísticos. A principal delas se deve ao seguinte fato. A pneumonia tem uma forte carga de tristeza pelo abandono da figura paterna. De alguma forma a criança se sentiu abandonada pelo pai, mesmo que o pai estivesse presente em casa. A negligência, a falta de participação na vida da criança, a distância afetiva, são interpretados por ela como um abandono. Em alguns casos ocorreu um abandono real, concreto, o pai deixou a casa. Esta é a diferença entre a pneumonia viral e a bacteriana. Na viral o abandono é mais subjetivo, provocado pela negligência, e a “ausência presente”. Nos casos em que a pneumonia é bacteriana, o abandono foi concreto, real. Na verdade, sempre existe um componente de tristeza e solidão. Este componente de tristeza e sensação de ser abandonado e não amado se expressam na pneumonia que fecha os pulmões pela infiltração dos leucócitos. Nas pneumonias mais graves, principalmente em crianças no primeiro ano de vida, pode ocorrer o óbito pelo fechamento total do pulmão que fica completamente infiltrado. Esta é uma expressão da desistência de viver. Na asma temos um outro componente diferenciado, que é o pai excessivamente autoritário e fortemente presente na vida da criança. Aqui temos o oposto, ao invés do abandono, uma presença excessiva, que cerceia a liberdade da criança. A dispnéia, que é a dificuldade de respirar está muito relacionada à prisão, à falta de espaço, sendo uma expressão no corpo de uma personalidade sufocada, presa, que não consegue ser ela mesma, que teve um pai muito autoritário, que esteve presente demais! Temos na asma o oposto da pneumonia. É por este motivo que na pneumonia raramente ocorre a dispnéia. Ela ocorre nos casos mais graves. Na pneunomia temos um quadro de febre, dor torácica que é uma expressão da tristeza e da dor da alma. Na pneumonia a febre e a dor torácica são os principais sintomas. Na asma temos a dispnéia como o principal sintoma. Na asma temos claramente um conflito emocional. A criança tem muito medo de perder o amor do pai. Na asma temos a expressão de apego ao pai, uma situação de dependência excessiva gerada exatamente por uma educação autoritária que não estimulou na criança a independência e autonomia. Pelo excesso de autoritarismo do pai, ou dos pais, a criança desenvolve uma baixa auto estima e uma fraca personalidade. Sabemos que o ar atmosférico é uma expressão química do amor paterno. Na asma percebemos o quanto a criança está carente deste amor. O pai briga, reclama, é autoritário, domina a criança, mas não sabe ensinar, chegar perto, explicar os motivos das proibições e dos limites. O momento da crise é sempre um momento muito verdadeiro. Na crise de asma, podemos perceber o quanto a criança está carente deste amor de pai! O quanto ela está desesperada por ele! Como ela está desesperada por ar! Como ela está desesperada pelo amor de pai! Na realidade todos somos carentes do arquétipo da paternidade, pois este pólo está mais doente do que o feminino. A paternidade é o máximo da masculinidade, e infelizmente este máximo é raramente alcançado! Os pais não sabem ser pais, e este veneno se perpetua de filho, para filho. A criança com asma esta precisando de amor, ela está precisando de carinho de pai! Por outro lado ela rejeita este amor, ela está ambígua, quer e não quer, mas na verdade quer! A carência de amor paterno é a causa real da asma, e o conhecimento desta causa pode ajudar milhares de pessoas que sofrem desta patologia. Este conhecimento é um presente de Deus que chega neste momento de transição da terra. A maioria das pessoas é carente do amor paterno. É por este motivo que a asma é tão comum, bem mais comum que a pneumonia. Esta doença é muito freqüente em nosso meio pelo simples motivo que o masculino está profundamente enfermo, e principalmente em nosso país, no nordeste brasileiro. Os homens são machistas, pouco afetivos, e não conseguem se aproximar emocionalmente dos filhos. Esta distância afetiva do pai, e o autoritarismo, a severidade, a falta de compreensão, a incapacidade de perceber as necessidades de uma criança, levam o pequeno ser que vem ao mundo a ter asma, e muitas vezes já com alguns meses de vida. O pai muito autoritário e dominador é o causador da asma. A asma é uma doença gerada pelo sentimento de estar sem espaço, de ser submisso, dominado, de não ter independência. O pulmão é o órgão da liberdade! O pulmão é o órgão da personalidade, da individualidade. Um pulmão fechado, que não consegue respirar representa uma expressão clara de uma pessoa que não tem liberdade. É uma pessoa que não conseguiu ter autonomia e é muito submissa ao pai. Um pai excessivamente autoritário e muito presente termina por privar a liberdade da criança, que não desenvolve as qualidades de autonomia, independência, auto estima, segurança e força de personalidade.
O amor paterno possui estas qualidades de coragem, segurança, individualidade, e se a criança tem um pai excessivamente autoritário e dominador, ela não absorve o amor do pai e fica com uma profunda carência. Desta forma o adulto n ão vai desenvolver o “pai interior”. E como pode um pai ser um bom pai se o seu pai não conseguiu ser? É uma herança maldita! Tanto um pai ausente, frio, e que abandona o filho, quanto um pai presente demais e autoritário que domina o filho terminam por não transmitir este amor de pai, o que gera a carência em ambos os casos. A criança precisa formar um “pai interior” para que possa ser um adulto saudável. Para que isto ocorra, é necessário este amor de pai.
B) VISÃO HOLÍSTICA DA ALTERAÇÃO PATOLÓGICA
O primeiro sentimento que gera a asma é o medo e o apego. Estes dois erros da personalidade estão juntos e surgem a partir da insatisfação da criança que não está recebendo amor paterno. Já estudamos anteriormente que a criança necessita receber o amor do pai e da mãe constantemente, sem interrupção. A criança é dependente do amor paterno. Se a criança já sentiu o amor uma vez, ela vai querer repetir a sensação. Caso o pai abandone a casa ou morra, a criança vai desenvolver medo e insegurança e vai perder a confiança na abundância do Universo, acreditando que não existe mais o amor do pai. A criança se agarra a qualquer afeto do pai que puder conseguir. Na fisiopatologia da asma isto se encontra bem expresso no corpo. O brônquio se contrai fechando a entrada do ar e principalmente a saída. A criança tem o sentimento ambíguo de desejar e ao mesmo tempo desprezar o amor do pai. Ela quer este amor mas se fecha para não recebe-lo. O brônquio fechado, com sua musculatura contraída representa o medo e o apego da criança que quer guardar todo o ar (amor do pai), que puder, como se aquele ar não existisse mais e fosse o último do Universo. Ela prende o ar como se ele fosse se acabar. Podemos perceber aqui uma lição maravilhosa. Este Amor (ar) está em todo lugar! O amor de Deus Pai está em todo canto, em abundância, muito mais do que toda a humanidade precisa! A disponibilidade do Amor de Deus na forma de oxigênio é Incondicional! Pelo pensamento errado do asmático que acredita que não existe amor paterno, ela vai se agarrar ao pouco ar que conseguiu colocar para dentro, como se aquele fosse o único. A conseqüência é uma dificuldade em colocar o ar para fora. Ora, se o ar fica dentro, isto vai dificultar a entrada do novo ar e daí vem o cansaço. Na realidade a escassez só existe dentro do ser humano. Tudo no Universo é abundância! O sentimento que pode dissolver este medo, esta insegurança, e esta carência do afeto paterno é a confiança e a entrega; uma fé inabalável que acredita na presença de Deus em tudo e que tem certeza que tudo o que necessitamos está sempre presente, desde que estejamos abertos para receber! Os três componentes fisiopatológicos da asma, o edema, o espasmo dos brônquios e a inflamação, são uma expressão psicofisiológica da raiva, da irritação, da decepção, e da mágoa do pai terrestre. Esta mágoa foi gerada pela repressão e pelo autoritarismo da criança que possui um pai dominador e autoritário. Vamos analisar agora cada um deles.
– Edema da parede dos brônquios: se observarmos a parede interna dos brônquios que é um tubo por onde passa o ar, vamos perceber que esta mucosa é uma expressão em miniatura de um indivíduo inteiro, segundo a teoria holística. A mucosa tem a função de receber o ar(oxigênio), e tendo esta função ela expressa no microcosmo a criança que recebe o amor do pai. A mucosa é a criança, o ser individual e o ar é o amor do pai que chega até ela. Se a criança fica irritada e magoada com o pai, porque foi presa e cerceada em sua liberdade, ela vai expressar esta raiva e irritação na mucosa. O microcosmo da mucosa do tubo respiratório se transforma no palco onde o conflito com o pai vai se expressar. O edema é uma expressão da irritação, da raiva.
– O excesso de secreções: é uma expressão psicofisiológica do excesso de emoções guardadas que não foram expressas, principalmente a raiva e a indignação. Uma criança que tem um pai autoritário, nunca é encorajada a se expressar e pelo contrário guarda todos os sentimentos, prende tudo. As secreções, que atrapalham a entrada do ar, pois formam uma barreira mecânica, são uma expressão psicofisiológica das magoas e sentimentos guardados que não foram comunicados e que se transformam numa barreira, num “muro” para impedir o contato do pai com a criança. Está bem claro que o excesso de secreções é uma expressão no corpo, do excesso de emoções guardadas que não foram expressas do tipo: “estou triste com você”. Nos casos em que a secreção é seca temos uma expressão clara de amargura e ressentimento.
– A inflamação: é uma expressão psicofisiológica muito clara da raiva e da irritação pelo amor que não está sendo satisfeito.
O chiado no peito é uma expressão psicofisiológica do choro que está chorando no corpo, porque não conseguiu chorar na alma! Ao invés da dor ser expressa em lágrimas, ela se expressa num chiado. E o chiado do asmático está pedindo amor do pai, está pedindo carinho e afeto, é um choro de pura carência!
C) A DOENÇA NO CORPO MENTAL (AS CRENÇAS)
Na mente da criança com asma brônquica podemos encontrar as seguintes crenças negativas:
“O Amor do meu pai me sufoca”“Não existe amor de pai, eu preciso me agarrar ao pouco (ar) que eu tenho”“Não posso deixar o amor escapar”“Tenho muito medo de perder meu pai”“É melhor me fechar para o amor de meu pai do que sofrer por não te-lo”“Eu não preciso do amor do meu pai”“Eu posso viver sem este amor do meu pai”“Não existe amor de pai”“Eu preciso tanto deste amor de meu pai, eu necessito tanto, mas ele nunca está presente”“Eu não tenho segurança do amor de meu pai”“Meu pai sumiu! Será que não vai mais voltar”“Tenho medo de perder meu pai, por isso me agarro ao seu amor”
D) DOENÇA NO CORPO EMOCIONAL
No corpo emocional vamos ter: – Carência do amor paterno- Medo de perder o pai- Insegurança- Mágoa do pai- Apego- Sensação de abandono- Submissão ao pai- Dependência do pai – Medo da morte- Tristeza
E) EXPANSÃO DO CORPO CAUSAL (O APRENDIZADO)
Com o sofrimento gerado pela asma a criança aprende muitas lições. No momento da crise, em que a criança está sem conseguir respirar direito, ela aprende que ao se apegar desesperadamente para não perder o ar, termina por ficar mais sufocada. Ela prende, tensiona, comprime, se desespera, tem medo de morrer. O segredo é deixar ir, é confiar, aceitar. A solução para a crise da asma está na confiança de que este amor do pai é abundante e está disponível em todo o Universo. A criança com asma, em uma crise, está muito honesta na expressão de seus sintomas. Ela é carente de amor paterno, ela sente muita falta de seu pai, e a crise de asma mostra esta realidade, mesmo que de uma forma simbólica. Na crise de asma a criança está desesperada pelo oxigênio, sem conseguir coloca-lo para dentro! Em outras palavras, ela está muito carente do amor paterno, e não consegue coloca-lo para dentro, porque o coração está fechado pela mágoa. Ela sente muito a falta de um pai amoroso, carinhoso e presente sem ser autoritário. Ela está desesperada por ar, ou em outras palavras ela está desesperada pelo amor do pai. No momento da crise, ela percebe que não pode viver sem este amor. Mas ao mesmo tempo, também aprende que na verdade não existe a falta deste amor. O ar está presente em todo lugar, abundantemente. Quem está se fechando para receber este amor é a própria individualidade. Os brônquios estão fechados, numa expressão de mágoa, de não querer mais o amor, e isto só gera sofrimento. O grande aprendizado da alma é que a mágoa só gera sofrimento. Que o coração fechado não soluciona a falta de amor, nem impede a dor da perda, ou de não ter afeto! Pelo contrário. Só que a alma se ilude, acreditando que a mágoa é uma proteção. Na experiência da asma, a alma percebe o quanto sofre quando se fecha para este amor. Na experiência de sofrimento gerado pelo broncoespasmo, a alma aprende que a aceitação, o perdão, a confiança e a fé na vida são muito melhores do que a raiva, a mágoa e o ressentimento. No final da crise de asma, a alma aprende o quanto é bom estar com os brônquios abertos, e esta abertura significa uma abertura para o amor paterno, que mesmo não estando presente no pai biológico, pode existir em pais substitutos. Ao relaxar os brônquios, a alma está enfrentando o medo de morrer. Num sentido mais profundo, ela está enfrentando o medo de morrer afetivamente! No final da crise, a alma percebe que o ar sempre esteve presente, que ele não estava entrando porque ela mesma não estava permitindo. O ar sempre esteve disponível, assim como sempre existirá um pai substituto, que irá dar este amor. O amor de pai sempre estará disponível, mesmo que ele não venha do pai biológico, mas de outras pessoas, inclusive da própria mãe! Ao incorporar esta lição de Perdão e Confiança no Amor, a alma brilha seu Corpo Causal, guardando Nele a memória maravilhosa deste aprendizado de abertura para o amor.
F) TRATAMENTO FLORAIS
O tratamento da asma se dá pelos pensamentos positivos:
“O Amor de meu pai me liberta”“O Amor de meu pai me dá segurança, força, integridade e independência”“Eu posso não ter o amor de meu pai biológico, mas alguém sempre surge para suprir esta falta, desde que eu me abra para este amor”“Quando mais me desespero, mais perco o que desejo, o segredo é confiar na abundância do Universo”“Eu tenho coragem de enfrentar a vida sem o meu pai”“Eu encontro dentro de mim este amor de pai”“É melhor me abrir para este amor paterno, pois assim alguém surge para substitui-lo, se me fechar não vou ter de jeito nenhum”“Eu preciso do amor de meu pai, mas não preciso ter medo”“Preciso apenas cativar meu pai, não preciso prender ele, nem ninguém”“Amor é só o que existe”“O Amor sempre está presente”“Eu tenho segurança do Amor de meu pai”“Eu preciso confiar que meu pai sai para trabalhar, mas não se afasta de mim”
Para o corpo emocional nos momentos de crise, as crianças de 0 a 4 anos precisam de alguém que substitua o pai biológico. Alguma pessoa, um tio, um parente, um irmão mais velho, precisa representar o papel de pai, deixando fluir toda a sua paternidade. A criança precisa ser segurada por uma figura masculina, receber esta atenção, o carinho e afeto masculinos, o amor de pai. Desta forma a crise vai ceder, pois a criança vai ter satisfeita a sua carência do amor paterno.
Essências florais: Flor do Murici é fundamental para a cura, pois ela traz a energia do amor de pai. Carinho Branco. A fórmula Amor de Pai e Mãe é fundamental para a asma. Flor da Estrela para trazer confiança e dissolver o desespero. Bouquet de Noiva é fundamental para a asma, sendo muito bem indicada para qualquer crise, bem como para curar os casos crônicos. Água de Deus traz a força da essência masculina de Deus, o Amor do Pai. Esta essência preenche o indivíduo que está alienado da figura paterna. Rosa do Afeto vai preencher a carência afetiva profunda do amor de pai, se for combinada com Flor do Murici e com Água de Deus. Flor da Manga vai dissolver a tristeza. Perdão vai ser indicada para reabrir o coração. Carinho branco para reabrir o coração fechado e petrificado. Água dos ventos vai melhorar a respiração e dissolver a mágoa do pai que fica expressa na forma de catarro e secreções respiratórias.
c) OBSTRUÇÃO NASAL EM RECÉM NASCIDOS
Esta situação clínica se apresenta em alguns recém nascidos e representa um transtorno muito grande para os pais. É um problema que surge com muita freqüência na neonatologia. A criança parece estar sufocada, chora muito e não consegue dormir. O nariz fica com sua abertura obstruída, pelo excesso de secreções respiratórias.
A) FISIOPATOLOGIA HOLÍSTICA
Esta patologia é de fácil compreensão quando estudamos a função holística do oxigênio. A alma encarna no mundo como um pequeno bebê, necessitando do amor de pai e de mãe. No momento da sua formação, a pequena criatura já tem sensibilidade para absorver sensações sobre a vida. Sua conexão com os pais se inicia, e este momento é uma experiência de entrega e de amor muito profundos. O pequeno ser “entra” na encarnação Amando Incondicionalmente seus pais. Estas primeiras impressões da alma encarnada, no momento da concepção vão ser muito importantes e vão determinar toda a vida emocional. Um trauma neste momento vai gerar a formação de crenças negativas que podem influenciar toda a vida. O momento em que o pai e a mãe recebem a notícia da gravidez e muito importante para o feto que surge. Todas as emoções sentidas pelo pai e pela mãe atingirão em cheio a criança. Todo o sentimento do pai e da mãe ao receberem a notícia, irá passar para a criança. Uma rejeição neste momento poderá ser fatal. Muitos abortos acontecem espontaneamente depois que o pai rejeita a criança com tanto ódio, que torna a gestação inviável. Se pelo contrário, o pai acolher a notícia com amor e com felicidade, desejando o filho com muita força, aceitando e acolhendo o novo ser, ele estará doando a energia amorosa paterna e a criança irá recebe-la. A criança criará em si um “terreno emocional” favorável para acolher o amor do pai. Este amor vai atingir a criança e vai lhe preencher de todas as qualidades do masculino saudável como: coragem, segurança de si, iniciativa, força, integridade. É por este motivo que os jovens precisam ser preparados desde cedo para a paternidade. Ninguém é preparado para ser pai. Todos estudam para serem engenheiros, médicos, advogados, mas não existe um curso que prepare o indivíduo para ser pai. No momento da concepção do novo ser, a qualidade da relação sexual também vai ser determinante. Se existe amor e carinho, esta vibração vai ser percebida pela consciência que está se vestindo de um corpo de carne. A consciência que encarna percebe se a relação é impura e abusiva, ou se é apenas uma relação sexual apenas pelo desejo do prazer, sem amor ou carinho. Isto pode deixar marcas na personalidade do novo ser. A consciência que está encarnando tem uma percepção impressionante de tudo ao seu redor, inclusive dos sentimentos e emoções de seus pais terrestres. Muitos homens desejam apenas a relação sexual com a mulher, e depois que ela engravida abandonam a mãe e o feto. No momento em que sabe da notícia, o pai rejeita a criança, inclusive desejando o aborto. Toda esta energia energia de rejeição é sentida pelo feto em formação gerando uma doença na alma difícil de ser curada. Esta é uma provável causa de asma, que já pode surgir logo após o nascimento. As impressões da criança sobre o amor paterno serão as piores possíveis. Esta marca de abandono pode acompanhar esta alma durante toda a encarnação, se não for tratada convenientemente com as essências florais ou com outros métodos terapêuticos. De uma forma menos grave, a maioria dos pais tem dificuldade de aceitar a criança quando nasce e de “vestir a camisa” do papel de pai. A criança é um pequeno bebê e compreende a insegurança do jovem pai como uma rejeição, e se fecha para o amor paterno, o que já vimos anteriormente gera a asma e pode gerar a obstrução nasal. A criança se fecha para o amor paterno, obstruindo o nariz, para que o ar(amor) não entre. A obstrução nasal é uma pequena mágoa, não tão grave quanto a pneumonia, que é sentida pelo pequeno bebê, que pelo motivo de não saber se expressar convenientemente, “fala” através do sintoma! Além de tudo isto, o componente fundamental da obstrução nasal é o medo da figura do pai. A criança observa o pai agredir a mãe, falar muito alto, de forma muito estúpida e termina desenvolvendo um medo desta figura que ela não conhece muito bem ainda. O medo do pai é na verdade a causa real da obstrução nasal. A partir deste medo, a criança fica com receio de se aproximar e de acolher afetivamente o pai. É preciso que os pais tenham mais consciência e possam ter mais sensibilidade para a compreensão de que um grito, uma palavra mal dita e uma agressão à mãe, afeta diretamente a criança que fica assustada e desenvolve um medo do pai.
B) VISÃO HOLÍSTICA DA ALTERAÇÃO PATOLÓGICA
Na obstrução nasal, observamos claramente um desejo de se fechar para o amor paterno, através de vários mecanismos patológicos que são uma expressão de conflitos emocionais. O muco do tubo respiratório, que é secretado pela mucosa do nariz, é produzido em maior quantidade, o que gera a coriza. O nariz é a porta de entrada do aparelho respiratório (que é o aparelho receptor do amor paterno), A alma fecha o coração para não receber este amor, e isto é uma expressão de mágoa. Ao mesmo tempo que não quer o amor, o bebê deseja e tem uma carência inevitável do amor paterno. Aí está o conflito! Ela quer o amor e se fecha para ele! A obstrução nasal tem as mesmas características da asma, só que com uma intensidade menor, e com uma gravidade menor. Podemos afirmar que a obstrução nasal é uma “pequena asma”. A criança tem medo do pai e nega o pai através do fechamento da narina. Pensamentos como “eu não te aprovo”. “Você não me ama”. Podem gerar o fechamento do nariz. Na asma a criança deixa o ar entrar e quer prende-lo pelo medo de perder. Esta carência ocorre mesmo com um pai agressivo e autoritário, porque a criança nunca vai deixar de ser carente do amor de pai! Por mais que ela possa querer, a necessidade do amor paterno nunca vai deixar de existir. Negar o amor de pai, e não mais quere-lo, é o mesmo que uma pessoa deixar de beber água e acreditar que não vai mais precisar dela! Na obstrução nasal a criança rejeita o pai, exatamente porque foi rejeitada, mas não é por rejeitar o amor, que vai conseguir excluir a necessidade dele! Na obstrução nasal, existe a mágoa e o ressentimento da figura paterna, além de existir um componente de medo, que existe principalmente nos casos em que o pai seja autoritário e estúpido. O muco é produzido normalmente pela mucosa do tubo respiratório. A função deste muco é proteger, e facilitar a passagem de ar para dentro do tubo. Além disto tem a função de proteger o contato, para que este não seja excessivo e para que o outro não invada o espaço do eu. A produção excessiva do muco é claramente uma expressão psicofisiológica do medo, é uma defesa para não entrar em contato, para não permitir o amor. O muco é uma expressão do medo, do medo da criança que se ressente do autoritarismo e da agressividade do seu pai. O medo é uma emoção muito forte nesta patologia, e ele está presente na criança porque o pai é muitas vezes agressivo com a mãe. Esta agressividade gera medo. Este medo afasta a criança de seu pai, criando uma distância afetiva que pode se prolongar por toda a vida! A criança tem medo de entrar em contato com seu pai. A mágoa e o ressentimento são expressos através deste muco, que é um choro chorado na fisiologia.
C) A DOENÇA NO CORPO MENTAL (AS CRENÇAS)
Na mente da criança com obstrução nasal podemos encontrar as seguintes crenças negativas:
“Não quero este pai, ele não me ama”“Meu pai é muito estúpido, tenho medo de me aproximar dele”“Meu pai não me ama”“Tem algo errado comigo”“Eu não sou aceito pelo meu pai”“Eu não preciso do amor de meu pai para viver”“Eu sou rejeitado”“Não sou amado, não sou querido pelo meu pai”“Meu pai me fere, não quero ele, me fecho para ele”“Não quero o amor de meu pai, este amor me fere”“O pai não gosta da minha chegada no mundo”“Sinto que este homem não quer ser meu pai, para que viver?”“Meu pai não me deseja, não sou amado”“Meu pai não se preocupa comigo”“Meu pai é grande, brabo, e tenho medo dele”“Tenho medo de entrar em contato com meu pai”“Meu pai é muito agressivo, tenho medo de me aproximar dele”“Não existe amor de pai, só amor de mãe”
D) DOENÇA NO CORPO EMOCIONAL
No corpo emocional vamos ter: – Medo do pai- Sensação de ser rejeitado e preterido- Mágoa do pai- Insegurança- Abandono da figura paterna- Inadequação no mundo
E) EXPANSÃO DO CORPO CAUSAL (O APRENDIZADO)
Com o sofrimento gerado pela obstrução nasal a criança aprende muitas lições. No momento da crise, ela percebe que não pode viver sem este amor que gerou tanto medo e insegurança. Ao fechar seu coração para o amor paterno, e quando sente a sufocação iminente, ela percebe o quanto precisa deste amor, e que a mágoa não é solução. Com a experiência de se sentir sufocada e sem ar, a pequena alma experimenta a lição de que não pode se fechar para o amor. Ela aprende que não existe possibilidade de se fechar para o amor paterno. O Amor é a vida, sem ele a vida se esvai. Com o sofrimento gerado no pai, que não dorme e se preocupa com seu bebê, ocorre o começo da cura. O pai se desmancha em afeto, pega o bebê, leva ele para o hospital e este cuidado, este carinho, este afeto, terminam por dissolver o medo da figura paterna, e fazer com que o bebê possa abrir o coração para seu pai e para a vida. Quando o medo se dissolve, o amor brota como uma luz intensa. O Corpo Causal se enriquece com o colorido desta experiência de ser cuidado e querido pelo pai. O amor vence o medo, e o nariz se abre novamente para receber o amor paterno na forma do ar rico em oxigênio!
F) TRATAMENTO FLORAIS O tratamento da obstrução nasal se dá pelos pensamentos positivos:
“Este é o melhor pai que posso ter na encarnação, sou amado por ele”“Eu compreendo a agressividade do meu pai como uma doença da alma dele”“Eu sou amado”“Eu sou certo, adequado, querido, desejado”“Eu sou aceito pelo meu pai”“Eu preciso do amor de pai, sem ele não vivo”“Eu posso ser rejeitado mas não me rejeito”“Sou amado, sou amado, sou amado”“Meu pai tenta me ferir, mas eu não me firo”“O Amor não fere, a falta de amor sim”“Minha chegada ao mundo é maravilhosa”“Se este homem não quer ser meu pai, vou encontrar este amor paterno em outra pessoa”“Meu pai não me deseja, mas minha mãe sim”“Meu pai se preocupa comigo, embora não demonstre”“Meu pai fala alto, mas não deixa de me amar por isso”“É seguro me entregar ao amor de meu pai”“Se este pai não consegue expressar seu amor por mim, vou procurar alguém para substitui-lo.Para o corpo emocional nos momentos de crise, o bebê precisa ser cuidado pelo seu pai, que deve coloca-lo no colo, leva-lo para o médico, e este cuidado e preocupação vai dissolver o medo do contato com o pai.
Essências florais: Flor do Murici é fundamental para a cura, pois ela traz a energia do amor de pai. Carinho Branco vai dissolver a barreira gerada pelo medo, reabrindo o coração “gelado” e petrificado. A fórmula Amor de Pai e Mãe é fundamental para a obstrução nasal. Bouquet de Noiva é fundamental para a asma, sendo muito bem indicada para qualquer crise, bem como para curar os casos crônicos. Água de Deus traz a força da essência masculina de Deus, o Amor do Pai. Esta essência preenche o indivíduo que está alienado da figura paterna. Rosa do Afeto vai preencher a carência afetiva profunda do amor de pai, se for combinada com Flor do Murici e com Água de Deus. Perdão vai ser indicada para reabrir o coração. Água dos ventos com Rosa do Afeto vai melhorar a respiração e dissolver a mágoa do pai que fica expressa na forma de catarro e secreções respiratórias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: